07 janeiro 2010

Moral e Religião


Há um argumento muito comum, utilizado pelos religiosos, e até mesmo por não religiosos que defendem a importância da religião, que diz respeito à questão da moral e da conduta humana. Dizem eles que a religião provém um comportamento moral de suma importância para a manutenção da vida em sociedade e que, sem ela, estaríamos nos matando uns aos outros (mais do que fazemos hoje). Assim, a religião seria o Leviatã de Hobbes, impedindo que o homem seja o lobo do homem.

Este pode, de início, parecer um argumento interessante, que se sustente, mas, particularmente, eu nunca vi sentido nele. Ao menos, não da religião como provedora de uma conduta moral - para mim ela sempre foi uma catalizadora dela. Digo isto no sentido de pensar que não foi a religião que estabeleceu os valores humanos, mas sim da própria sociedade, no andar de seu processo constitutivo, tê-los estabelecido e ter utilizado a sacralidade da religião para preservá-los e transmiti-los. E, assinstindo por estes dias o documentário da BBC The Atheism Tapes, na conversa de Johnatan Miller com o físico e prêmio Nobel Steven Weinberg, vi um argumento bastante interessante.

Coloca Weinberg que as pessoas têm o hábito de falar que, quando um ato muito terrível é cometido por um religioso, como por exemplo o ataque ao World Trade Center, ou qualquer outro ato terrorista, aquelas pessoas que o cometeram não são religiosas de verdade, mesmo que tenham cometido suas ações crendo sinceramente que aquilo era uma obra divina e estivessem, portando, atuando de forma religiosa. Ou seja, elas definem um ato moral não através da religião, mas através de sua própria carga cultural... Sua moralidade não é definida pela religião, pois elas conseguem fazer o movimento de definir o que é religião através de sua moralidade. Há, portanto, uma inversão do processo que comumente se pensa na relação entre moralidade e religião.

Talvez seja um argumento interessante por aqueles que se interessam por moralidade e religião, não tenho dúvidas de que pode ser melhor aprofundado e desenvolvido à luz da filosofia e, porque não, de outras áreas das ciências humanas. Por fim, deixo aqui o link para download do The Atheist Tapes (a "fita" com o Steven Weinberg é a 2): http://cafesfilosoficos.wordpress.com/2009/08/23/as-fitas-do-ateismo/
----
P.S.: Peço desculpas pela demora na atualização do blog, mas estou sem internet em casa, além de inúmeros projetos para desenvolver. Mas, dentro do possível, irei postando aqui... Já tenho um outro texto pronto sobre o tempo e o espaço sagrado na perspectiva de Mircea Eliade.

5 comentários:

soffia disse...

realmente, interessante essa idéia que você abordou...

Rafael da Costa disse...

Um texto bastante lúcido

Juneka disse...

Ótimo texto! Me lembra um comentário que um amigo me fez uma vez: "Se uma pessoa não mata ninguém só porque teme uma punição divina, eu tenho medo dela. Eu não mato ninguém porque sei que o que é certo e o que é errado, independentemente de religião."

Marcel disse...

Independentemente de religião ou moral ou qualquer outra camada protera e mistificadora, o certo é uma coisa. Eles, os responsáveis pelo ataque as torres gêmeas, estavam na merda. E portanto bravos. É só ver quantos marginais favelados tem tatuado Jesus ou Deus e frequentam igrejas.

Giuliana Gomes Siqueira disse...

Religião... um assunto que eu penso e acho que é um dos assuntos mais discutidos pelas pessoas... Religião é algo que cada um tem o seu pensamento, e pensamentos diferentes! Eu acho que não importa o que a pessoa faz, isso não vai deixar da pessoa ser religiosa ou não, pra pessoa, ela pode ser religiosa sim, mas com atos que muitas pessoas religiosas não fariam. Mas como o assunto principal, o mais comentado, é a MORTE, acho que morte é uma coisa mais pesada, creio que uma pessoa religiosa não iria matar ninguém, eu penso que religião não é uma coisa de se discutir, porque cada um tem as suas opiniões, do mesmo jeito que algumas pessoas acham que outras estão erradas, pode ser ao contrario também, Deus é um só, mas tem algumas religioes exageram um pouco. Religião, um assunto muito discutível, e bem interessante também, as pessoas se expressam bastante quando o assunto é esse!